O Cooperativismo de Crédito se despede de Mário Kruel Guimarães

Mário Kruel Guimarães

24/12/2011 – O cooperativismo de crédito brasileiro lamenta o falecimento de Mário Kruel Guimarães, precursor do cooperativismo de crédito contemporâneo, que conduziu a reestruturação do sistema cooperativo de crédito, com a criação, no inicio dos anos 80, da Central das Cooperativas de Credito do RS – Cocecrer/RS, atual Sistema Sicredi.

Mário, natural de Santa Catarina, tinha 88 anos e estava no meio cooperativista, segundo ele mesmo definia, desde a infância. Desde 1944, quando fundou e presidiu a Cooperativa de Consumo Bancário, a trajetória de Mario deixa límpida sua paixão pelo cooperativismo. Dentre outros cargos, foi vice-presidente da Fecotrigo e presidente da Cocecrer RS. Foi também autor de obras, como o ensaio “Passado, presente e futuro do cooperativismo de crédito brasileiro”.

“… Se querem me homenagear, pensem em mim com carinho e façam o que sempre preguei aqui na terra: sejam bons, e honestos; sejam fraternos e se entreajudem nos momentos de dificuldades; nunca façam nada que possa prejudicar um semelhante; não sejam gananciosos, vivam com alegria…” (Mario Kruel Guimarães)

Fonte: http://fgk.com.br/?p=353

Mario Kruel Guimarães

Um dos nomes que ajudou a erigir o cooperativismo de crédito no país, Mario Kruel Guimarães morreu na sexta-feira, aos 87 anos, em Ituporanga (SC), de falência múltipla de órgãos.

Nascido em Santo Ângelo, em 18 de abril de 1924, Guimarães teve como uma das características a mudança constante de endereço. Passou por cidades do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Bahia, Distrito Federal, São Paulo e Rio de Janeiro, e, na maioria, fixou-se apenas por dois ou três anos.

Autodidata, estudou por conta própria para obter a aprovação na prova do Banco do Brasil e começou a atuar em Erechim. Foi gerente de agência em Getúlio Vargas, exerceu a função de chefe da carteira agrícola do Banco do Brasil e se aposentou em Porto Alegre, como inspetor, em 1968. Também dirigiu um frigorífico em Sarandi e em Duque de Caxias (RJ) e trabalhou no Ministério da Agricultura, em Brasília.

No período do banco, envolveu-se com o cooperativismo de crédito. No início da década de 60, atuou em Itabuna, na Bahia, onde organizou uma cooperativa de cacau. No Estado, foi vice-presidente da Federação das Cooperativas de Trigo e Soja do Rio Grande do Sul (Fecotrigo) e presidente da Cooperativa Central de Crédito do Rio Grande do Sul (Cocecrer).

Dessa forma, ajudou a fundar as bases e o modelo adotado pelo Sistema de Crédito Cooperativo (Sicredi), que hoje atua em 10 Estados.

Em meados da década de 80, Guimarães teve um infarto e se afastou do trabalho. Mudou-se para Palmas (PR) e se dedicou a uma granja em Água Doce (SC), onde plantava maçãs. Lá, permaneceu até 2003, quando foi morar em Ituporanga (SC).

Segundo um dos filhos, Nelson, ele gostava de arte, de música e, nos últimos anos, de cozinhar para a família. Teve dois casamentos e deixa oito filhos, 14 netos e dois bisnetos.

Fonte: Zero Hora

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.




*

WordPress spam blocked by CleanTalk.