Portal do Cooperativismo Financeiro “Síndrome da não-culpa”: a velha - nova pandemia nas organizações!, por Enio Meinen - Portal do Cooperativismo Financeiro

“Síndrome da não-culpa”: a velha – nova pandemia nas organizações!, por Enio Meinen

“O homem superior atribui a culpa a si próprio; o homem comum, aos outros.” (Confúcio).

 

O ambiente profissional – ainda bem – revela mais soluções do que problemas; menos conflitos do que entendimentos; menos indiferenças do que manifestações de solidariedade; menos enfermidades do que boas condições de saúde.

Mas há uma adversidade que insiste em permear as organizações. Falo de uma doença grave, que se alastra de forma avassaladora, elevando-se, por sua dimensão e efeitos, ao grau de pandemia. A “síndrome da não culpa”: eis o mal a que me refiro!

E como se revela o sintoma desse “distúrbio”? A constatação não requer nenhum diagnóstico mais aprofundado. Basta que se apresente um problema – operacional, legal, administrativo ou de outra ordem -, ou ainda apareça uma dificuldade qualquer, e o doente-portador, devidamente “armado”, sai imediatamente na defensiva: “a culpa não é minha/nossa”, “não tenho/temos nada a ver com isso”, “o responsável é o fulano ou a área tais”, “não posso fazer nada”, e por aí vai.

Num estágio ainda mais avançado da moléstia, há os que já tratam de arranjar justificativas ou evasivas antes mesmo de o problema concretizar-se! E o pior é que isso pode sair do mundo da ficção e virar realidade… A propósito desse grupo de enfermos o escritor John Maxwell apresenta uma esclarecedora impressão. Diz ele: “as pessoas desperdiçam energia fantasiando soluções para problemas que temem aparecer em seu caminho. Ironicamente, o que começou como um medo infundado pode se transformar em um problema real, porque a pessoa desperdiçou energia pensando em coisas que gostaria que fossem realidade, em vez de pensar em uma ação eficaz” (in 6 John Maxwell John C, Você faz a diferença: como sua atitude pode revolucionar sua vida / John C. Maxwell; tradução de Valéria Lamim Delgado Fernandes. São Paulo: T. Nelson, 2006).

Assumir os próprios erros ou a responsabilidade pela sua ocorrência enquanto gestor são atitudes dignas e corajosas, virtude infelizmente ausente em muitas pessoas. Quando os problemas aparecem, o normal é o executivo (e os colaboradores que nele se espelham) eximir-se da responsabilidade e procurar “bodes expiatórios”, iniciando-se, assim, o conhecido “jogo de culpa” ou “jogo de empurra”. Em vez da busca da solução, dando curso à verdade, o foco passa a ser a identificação de subterfúgios para a autopreservação, muitas vezes transferindo ou tentando empurrar a reponsabilidade para um terceiro, não raro colega de profissão.

O personagem bíblico Adão talvez tenha sido o primeiro a padecer dessa doença. Quando Deus lhe perguntou se o havia desobedecido, ele respondeu: “Foi a mulher que me deste por companheira que me deu o fruto da árvore, e eu comi” (Gênesis, Capítulo 3, Versículo 12 – Bíblia Sagrada). As consequências para ele próprio e para a humanidade todos conhecemos…

Observador atento e combatente desse comportamento, o líder cooperativista José Salvino de Menezes, muito acertadamente, costuma dizer: “depois que inventaram a desculpa, ninguém mais comete erros”.

E que implicações essa postura provoca, mais especificamente na seara profissional? Muitas! A principal delas é a não resolução do problema ou não equacionamento da demanda, em flagrante desrespeito àquele que está “do outro lado” aguardando providências (que não quer saber de quem é a culpa…!). Outra consequência é a desarmonia que a (falta de) atitude ocasiona nas organizações ou entre organizações, já que se instala um ambiente de “queda de braços”, de desconfiança e de desesperança. Um terceiro efeito é o aumento de custos nas empresas, já que na falta ou no retardamento da solução, a saída é incrementar estruturas ou fazer investimentos adicionais – em outras áreas ou entidades – para resolver os problemas. Aliás, o tempo que se perde discutindo de quem é a culpa ou mesmo para tentar justificar o injustificável, é por si só um fator de improdutividade, implicando dispêndios sem necessidade.

A postura esperada dos verdadeiros profissionais, ainda que determinada adversidade não lhes possa ser atribuída imediatamente, é agir (“matar no peito”) em sua área de domínio/responsabilidade ou promover articulações em sua área de influência, mobilizando pessoas e recursos para dar conta do “recado”. Além de tudo, este gesto é uma demonstração de respeito.

Em relação aos líderes e principais executivos, por servirem de referência aos demais, essa iniciativa é ainda mais aguardada. Poder e responsabilidade estão íntima e proporcionalmente atrelados.

Não se deve ter receio de admitir falhas ou avocar responsabilidade, especialmente quando se é gestor, pois falíveis todos são – pela simples condição, primária, de seres humanos. Aliás, é também meritório aprender com o erro, pois só assim evita-se a reincidência em circunstâncias semelhantes. Atribuir a responsabilidade a outrem ou tentar justificar demasiadamente os erros reduzem o prestígio profissional, às vezes sem que se o perceba. O certo é canalizar as energias para a solução e a verdade, em vez de ficar procurando desculpas e formas de desqualificar terceiros, muitas vezes colegas de profissão.

Como ensina Augusto Cury, “Ser sábio não quer dizer ser perfeito, não falhar, não chorar e nem ter momentos de fragilidade. Ser sábio é aprender a usar cada dor como uma oportunidade para aprender lições, cada erro como uma ocasião para corrigir rotas, cada fracasso como uma chance para ter mais coragem. Nas vitórias, os sábios são amantes da alegria; nas derrotas, são amigos da reflexão” (in 12 semanas para mudar uma vida. Augusto Cury Colina, SP: editora Academia de Inteligência, 2004).

A prática do “mea culpa”, de maneira sincera e construtiva, diferentemente do que alguns podem imaginar, contribui para aumentar o apreço profissional e pessoal, e é indispensável para a evolução nos dois planos. Além disso, o ambiente harmonioso daí resultante, ao mesmo tempo em que repercute na redução de falhas futuras, potencializa a capacidade de entrega das organizações.

Abraham Lincoln já ensinava que “você não consegue escapar da responsabilidade de amanhã esquivando-se dela hoje”. Daí que assumir a culpa, logo cedo, é bem melhor do que alguém descobrir a verdade mais tarde. E isso fatalmente ocorrerá, ainda que a aposta seja em contrário…!

Portanto, deve-se evitar o contágio pela moléstia da irresponsabilidade. Como medidas de prevenção há que se antecipar à imputação; admitir o erro e tratar do problema imediatamente; evitar críticas e desgastes desnecessários; dar o exemplo para os colegas (pares e liderados); … dormir tranquilo. Enfim, agir como sábio!

Este tema, por sinal, pelo seu grau de importância e impactos gerados nas empresas, habilita-se como pauta frequente em treinamentos e diálogos/feedbacks dos líderes organizacionais com/para os seus executivos. Nessas abordagens, como recurso de apoio, sugere-se apresentar o vídeo “O problema não é meu”, distribuído pela Siamar, que retrata, didaticamente e precisamente, o comportamento dos atores comprometidos (adequado) e descomprometidos (inadequado) diante de um problema concreto.

“Quase todas as nossas falhas são mais perdoáveis do que os métodos que concebemos para escondê-las”
(François Poitou, o Duque La Rochefoucauld)

Enio Meinen é advogado, pós-graduado em Gestão Estratégica de Pessoas e Diretor Operacional do Banco Cooperativo do Brasil – Bancoob.

15 Comentários em “Síndrome da não-culpa”: a velha – nova pandemia nas organizações!, por Enio Meinen

  1. Ênio, excelente matéria! Você “tocou” em um ponto que realmente esta virando uma “nova” pandemia, ou melhor, antiga, mas agora vista com outros olhos pelos nossos executivos.

    Se 30% de nossos profissionais mudassem de atitude, teríamos muito mais ganhos dentro de nossas organizações.

  2. ” E ASSIM QUE CONSTRUIMOS UM MUNDO/PESSOAS MELHOR.”
    E COM ESTES PENSAMENTOS QUE TENTO LEVAR MINHA VIDA PROFISSIONAL E TAMBEM PESSOAL, PRECISAMOS DAR A CARA A TAPA, PRECISAMOS COLOCAR OS PROBLEMAS NA MESA E RESOLVE-LOS EM CONJUNTO.
    PARABENS PELO ARTIGO.
    ADOREI. BJOS.

  3. Prezado Ênio, mais uma vez, parabéns pela clareza e oportunidade de seu artigo.
    Que você continue sempre inspirado e educador!
    Um abraço.

  4. Prezado amigo Ênio, parabéns pela matéria, mais uma vez você foi preciso em suas colocações, para que nos, lideres, reflitamos o nosso verdadeiro papel de assumirmos as nossas responsabilidades. É muito comum as pessoas encontrarem culpados para tudo o que não deu certo, mas o verdadeiro líder cooperativista é aquele que, usa o “Nós” para as conquistas, e o “Eu” para assumir as responsabilidades atribuídas que não acontecerão conforme o planejado. Grande abraço.

  5. Meu irmão Ênio, Parabéns, não só pela habitual excelência em discorrer sobre a matéria, mas pela relevância que ela imputa em nosso dia-a-dia. São estes custos invisíveis que fazem toda a diferança na gestão de nossos empreendimentos. Abração

  6. Prezado Ênio,
    Parabéns pelo artigo. Mais uma vez você foi muito feliz na escolha do tema, que afeta diretamente ou indiretamente as pessoas e suas corporações, promovendo desgastes nos relacionamentos e processos.
    Um forte abraço.
    Luiz Lesse Moura Santos

  7. Prezado Ênio,

    Parabéns pelo artigo. Você tocou numa ferida que muitos têm medo de buscar a cura. E será que tem cura? Pergunto isso, porque vejo que este tipo de atitudes nas organizações vem se enraizando e virando cultara e sabemos o quanto é difícil promover mudanças culturais.
    O ponto mais importante abordado, no meu entendimento, foi a questão da energia dispendida reunindo provas documentais para se proteger de problemas futuro que não se sabe se irão materalizar.
    Muito bom, gostaria muito que o próximo artigo abordasse sobre a vacina recomendada para combater essa pandemia.
    Abraço.

  8. Prezado Ênio,
    Gostei muito do seu artigo, e concordo plenamente. Sabemos que todos nós estamos sujeitos a errar, e com certeza já erramos muito; mas a verdadeira grandeza está em adimitir e tentar corrigir de alguma forma seja, em nosso ambiente profissional ou em nossa vida pessoal.
    Parabéns.

  9. Prezado Ênio.
    Gostei do artigo e gostaria de lembrar aos leitores que o resultado dessa “sindrome” é normalmente chamado de “custo Brasil”, algo em torno de 30% de desperdício de recursos, de energia e lamentavelmente de tempo, sabidamente o bem mais caro para todo ser humano. Só para registrar, quero dizer que tenho utilizado seus livros para ilustrar o conteúdo dos cursos que venho ministrando para Conselheiros Fiscais e de Administração das cooperativas do Sicoob-SC. Meus cumprimentos pela oportunidade do tema abordado.

  10. Prezado Ênio,
    parabéns mais uma vez, seus artigos expressam um conteúdo contextualizado, prático, ou seja, próximo de nossas realidades diárias na corporação. Esse é extremamente relevante, um sinalizador, um desafio, que incomoda-nos, um convite diário para mudanças pessoais que refletirão no coletivo.
    Às vezes e muitas das vezes nos cansemos inutilmente em situações que podem ser solucionadas pelo óbvio com apenas uma expressão: Fui EU!
    “Negar um erro é errar duas vezes.” Autor Desconhecido.

  11. Prezado Dr. Ênio,
    Muito bom o texto. Ainda bem que há vozes que levam à reflexão e ação sobre as situações. O Cooperativismo como filosofia de construção conjunta precisa ser incorporada na vivência do dia-a-dia das organizações cooperativas. Não é só um discurso, é uma práxis. Não temos como negar mais essa situação após o seu texto, agora é agir e implantar soluções efetivas e que levem ao desenvolvimento mútuo. Obrigado!

  12. Enio!

    Parabéns, um otimo assunto que muitas vezes falta ser abordado dentro das organiações. Está na hora dos verdadeiros profissionais serem valorizados pelas atitudes que tomam.
    Um abraço.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.




*

WordPress spam blocked by CleanTalk.