Portal do Cooperativismo Financeiro Plano de Ação para uma Década Cooperativa: Participação dos membros - Portal do Cooperativismo Financeiro

Plano de Ação para uma Década Cooperativa: Participação dos membros

Elevar a participação e a governança dos membros a um novo patamar“, este é o objetivo central do Plano de Ação desenvolvido pela ACI (Aliança Cooperativa Internacional) para a chamada Década Cooperativa.

A participação democrática dos membros é a característica mais conhecida das empresas cooperativas, e o que principalmente as distingue das empresas tradicionais. O membro individual tem um papel a desempenhar que ultrapassa a relação econômica básica de cliente, trabalhador ou produtor. Os membros detêm coletivamente a cooperativa, e através de compromissos democráticos participam na sua governança. Individualmente têm direito de ser informados, uma voz, e representação.

Os pioneiros do cooperativismo, que criaram cooperativas nos séculos anteriores, tinham uma visão clara: viam que levando as pessoas a colaborar e trabalhar em conjunto, podiam satisfazer as suas necessidades individuais e coletivas de acesso a bens e serviços, ou trabalhar. Para eles participar era o meio para um fim, não um fim em si mesmo. Envolveram-se ou empenharam-se para satisfazer as suas necessidades: era parte do processo de consolidar a sua cooperativa e fazê-la funcionar melhor.

O contemporâneo mundo consumista das economias desenvolvidas é muito diferente. Através de modernos meios de transporte, multiplicidade de fornecedores em competição, e mais recentemente o poder da internet, a falta de acesso foi substituída em muitos casos por ampla gama de escolhas. Prevalece uma cultura consumista. Isso, não apenas remove a necessidade de iniciativas de autoajuda a nível comunitário, mas a nível individual tem tendência de nos tornar apáticos, complacentes, ou apenas totalmente preguiçosos. Desencoraja a participação cívica, e encoraja a prossecução do prazer pessoal e satisfação.

A crise financeira global e o falhanço das economias desenvolvidas e suas instituições em satisfazer as necessidades dos seus cidadãos, mudaram dramaticamente a paisagem atual. Com crescente desigualdade, e colapso da confiança nas instituições comerciais, governamentais e até religiosas, recostarmo-nos e esperar que alguém venha resolver os problemas parece que não pode continuar. A análise referida das Tendências Globais identifica como primeira das três tendências globais “o empodeiramento dos indivíduos, que contribui para um sentimento de pertença a uma só comunidade humana“. O desencanto e o não empenhamento dos jovens já transparece, à medida que percebem que instituições e sistemas vão herdar, de par com os desafios econômicos imediatos que enfrentarão.

.

“A PARTICIPAÇÃO VOLTA A SER UM DOS MAIS VALIOSOS TRUNFOS DO SETOR COOPERATIVO”

Neste contexto, a participação – incluindo mais ampla participação democrática – torna-se um fim em si mesmo, uma forma de enfrentar a acumulação de poder nas mãos de uma pequena elite, e uma via para contestar os métodos obsoletos das gerações precedentes que parecem ter fracassado.

As cooperativas não necessitam de – e não devem – abandonar a sua definição de participação pelo voto; mas se não permanecerem abertas a novas formas de participação e empenhamento e com vontade de inovar, podem perder oportunidades de inspirar e envolver a nova geração de membros. Acresce que, se arriscam a parecer mais lentas e com menores respostas quando comparadas, quer a novos movimentos de base em rede como Occupy, quer a empreendimentos guiados por lucros com audiências e consumidores a partir de novas formas interativas.

.

O propósito é elevar a participação social e a governança a um novo patamar, e fazê-lo realçando os aspetos práticos da participação

Centrando-nos especifica e diretamente nos jovens adultos, explorando os seus mecanismos de formação e manutenção de relações, e considerando se os mecanismos estabelecidos de participação e envolvimento tradicionais necessitam ser adaptados. O setor cooperativo tem de oferecer boas vindas genuínas aos jovens, convidando-os a ter um papel ativo e a ajudar a moldar o futuro. Devem ser envolvidos na planificação da implementação deste Plano de Ação. Isso implica considerar uma gama de questões:

  • Será que as novas gerações constroem mecanismos próprios de colaboração que levem o setor cooperativo estabelecido a aprender com eles, e a adotá-los?
  • Será que as cooperativas oferecem aos jovens os mais apropriados pontos de acesso?
  • Estarão empenhadas em criar um espaço ou plataforma, que lhes permita construir o futuro?
  • Estarão mesmo a usar a linguagem apropriada?

A estratégia a ser desenvolvida deve incluir e desenvolver boas práticas na comunicação, tomada de decisões, reuniões (físicas e virtuais) e abertura. Inclui também explorar formas de encorajar, manter e construir a participação fornecendo benefícios e incentivos aos membros.

.

Como alcançar este objetivo?

  1. Encontrar novas formas de ‘JUNTAR‘ cooperadores no setor cooperativo para criar redes de cooperadores;
  2. Reunir e compilar informação sobre BOAS PRÁTICAS; procurar e partilhar as melhores ideias, nomeadamente nas áreas da idade e igualdade de género; identificar tendências negativas ou prejudiciais, ajudar a expor más práticas e desenvolver instrumentos e técnicas para as melhorar;
  3. Reunir e compilar informação que demonstre como esses exemplos de boas práticas estão positivamente ligados ao FORTE DESEMPENHO numa vasta gama de indicadores, por exemplo, sucesso financeiro, envolvimento dos trabalhadores, empenhamento social e sustentabilidade ambiental;
  4. Trabalhar com jovens adultos e jovens e a indústria das MÍDIAS SOCIAIS para explorar a motivação das gerações jovens no que diz respeito a atividades de colaboração ou afinidade; como é que a comunicação e a formação de relações estão a mudar on-line e off-line; examinar as práticas desenvolvidas por movimentos recentes;
  5. Examinar e desafiar as práticas existentes de DEMOCRACIA COOPERATIVA, reunindo provas de práticas inovadoras, encorajando avaliações de abordagens alternativas e coligindo informação;
  6. No que respeita à participação de MEMBROS INVESTIDORES NÃO UTILIZADORES, reunir provas de modelos e práticas existentes;
  7. Empenhar as COOPERATIVAS DO GLOBAL 300 a fortalecer a visibilidade do sucesso e impacto cooperativo e amplificar a voz cooperativa, por exemplo através de uma Mesa redonda de Líderes.

Fonte: Plano de Ação para uma Década Cooperativa

 

 

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.




*

WordPress spam blocked by CleanTalk.