Portal do Cooperativismo Financeiro O cooperativismo financeiro e os canais de (auto)atendimento, por Ênio Meinen - Portal do Cooperativismo Financeiro

7 Comentários em O cooperativismo financeiro e os canais de (auto)atendimento, por Ênio Meinen

  1. Vejo como grande oportunidade neste aspecto a interligação das redes de auto atendimento das instituições financeiras cooperativas, tirando do papel o projeto que existe no CECO e que se implantado permitiria que um associado do Sicredi, por exemplo, pudesse efetuar movimentações em um ATM do Sicoob, CECRED ou Unicred.

  2. Essa “tendência” é hoje inquestionáveel. A visita à uma unidade da Cooperativa deve ser para: fazermos negócios, consultar nossos técnicos, rever e saborear as amizades e claro também cuidar da nossa Cooperativa.
    No meio urbano fatores como trânsito e estacionamento são decisivos.
    Na minha visão o mais importante de tudo é o custo implicado no deslocamento dessa pessoa até a Cooperativa quase que diariamente.
    E que pessoa é essa ?
    Normalmente o Colaborador mais “caro” de nosso Empreendimento: o Dono !
    Quanto custa a hora de um “dono” de Empresa na fila, no trânsito ? Fora do seu foco que é o seu Client ?
    Abraço para todos e todas e parabéns ao Dr Ênio pela matéria,

    NILTON

  3. Bom dia Amigo Ênio, o desafio é cada vez maior de trazer o associado, “dono do negócio” para dentro do empreendimento, acompanhando o desenvolvimento e a estrutura da cooperativa. Quanto mais informações o “o dono” tiver, poderá/deverá auxiliar na cobertura dos custos do seu empreendimento, não pagando mais e sim utilizando facilidades, serviços que reduzem os custos operacionais e com isso ampliando as sobras da cooperativa, retornando nas mais diversas formas de benefícios.

    Abraços cooperativistas.
    Paulo Camargo

  4. Além da comodidade e economia que o uso de canais eletrônicos proporcionam, entendo que os mesmos não vão interferir significativamente no atendimento diferenciado que hoje temos junto a nossos associados, mas sim vem a contribuir para o desenvolvimento de nossas cooperativas, permitindo atuar com flexibilidade, segurança e com diferentes públicos.

    Parabéns pela matéria Dr Ênio Meinen.

    Abraço para o amigo.

  5. Prezado Ênio, muito oportuna a discussão!
    Na minha opinião, não há como ficarmos de fora do meio eletrônico como opção de negócios para os cooperados, sob o risco de simplesmente perdermos para os bancos, que sempre estão à frente nas questões tecnológicas, até pelo investimento que fazem nisto. Creio que o desafio é não “despessoalizarmos” o jeito de atender, mesmo que em canais eletrônicos. Estar próximo, mais do que parecer, mas estar disponível para entender e auxiliar o cooperado a encontrar soluções financeiras que realmente o ajudem é o foco.
    Forte abraço

  6. A aprovação do projeto de interligação citado pelo amigo MARCIO PORT, irá proporcionar ao Cooperativismo de Crédito Brasileiro, a prática, na sua essência, de um dos 7 princípios do cooperativismo, A INTERCOOPERAÇÃO.
    Parabens ao Enio pela abordagem da matéria.

  7. Um dos grandes desafios das Cooperativas Financeiras é posicionar-se com foco no público jovem. Vejo que o Sicredi já vem atuando neste sentido há uns 2 anos e este é o caminho a ser seguido pelos demais Sistemas!

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.




*

WordPress spam blocked by CleanTalk.