Portal do Cooperativismo Financeiro Cultura Cooperativista – Uma Reflexão, por Elemar José Wilhelm – Portal do Cooperativismo Financeiro

Cultura Cooperativista – Uma Reflexão, por Elemar José Wilhelm

logo cooperativismoNa introdução ao tema necessária se faz a interrogação: quais são as dificuldades das pessoas em se identificar com a cultura cooperativista, essencialmente a de crédito?

A nossa cultura está alicerçada nos valores, na missão e na visão. São elas que norteiam as atividades cotidianamente.

Inicialmente vamos fazer o registro e/ou recordar quais são os nossos valores: preservação irrestrita da natureza cooperativa do negócio; respeito à individualidade do associado; valorização e desenvolvimento de pessoas; preservação da instituição como sistema; respeito às normas internas e oficiais; eficácia e transparência na gestão.

Como missão temos, enquanto sistema cooperativo, valorizar o relacionamento, oferecer soluções financeiras para agregar renda e contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos associados e da sociedade.

E como visão: ser reconhecida pela sociedade como instituição financeira cooperativa, comprometida com o desenvolvimento econômico e social dos associados e das comunidades, com crescimento sustentável das Cooperativas, integradas em um Sistema sólido e eficaz.

É possível afirmar que somos uma instituição financeira cooperativa perfeita em nossa missão, visão e valores. Poucas empresas têm estabelecido de forma tão clara e objetiva o seu norte.

Se temos tudo isso, interrogo: por que ao menos 50% da população ainda não é associada a uma instituição financeira cooperativa? Evidentemente temos pequenas exceções na nossa região em que mais de 60% da população do município é associada.

Se somos os donos da Cooperativa, inclusive distribuímos as sobras entre os associados, o que nos falta, na prática, para sermos reconhecidos como a melhor alternativa enquanto instituição financeira cooperativa?

Proponho, de modo singelo, algumas reflexões:

  • Os valores, a missão e a visão integram de fato, as nossas atitudes em nossas ações no dia a dia?
  • A cultura cooperativista perpassa as ações dos administradores, executivos, dos colaboradores, coordenadores de núcleo e dos associados?
  • O planejamento é um ato de pensar e de agir coletivamente? Pensar qual é o nosso negócio e qual será o nosso negócio? Praticamos isto?
  • Temos planejamento de curto, médio e longo prazo na nossa instituição financeira cooperativa?
  • É possível construir uma cultura cooperativa de forma isolada ou será com maior solidez, de forma coletiva?
  • Nas assembleias e/ou reuniões de núcleo tem havido um momento para se falar sobre a cultura cooperativista?
  • Os Dirigentes estão mais preocupados com os negócios ou com a formação dos associados?
  • Haverá mais negócios, se for mais consolidada a cultura cooperativista dos associados?
  • Porque continuamos sendo “uma opção” e não “A opção”?

CONCLUSÃO:

A cultura é um fenômeno coletivo. O avanço na cultura é fundamental uma vez que esta é o reflexo dos seus colaboradores.

É mais fácil implementar novas técnicas e operações do que desenvolver novas habilidades (formação) e posturas nas pessoas (cultura). Consolidar uma cultura requer tempo e muito esforço coletivo.

As mudanças só ocorrem à medida em que mudam a forma de pensar e de agir das pessoas.

O amanhã está em nossa mãos. O sucesso e a perenidade também.

Elemar José Wilhelm – Conselheiro de Administração da Sicredi União RS

2 Comentários em Cultura Cooperativista – Uma Reflexão, por Elemar José Wilhelm

  1. Parabéns pelo artigo Professor Elemar, temos sim um compromisso no dia a dia de fomentar a Cultura Cooperativista, não apenas em palavras, mas também nas nossas ações!

  2. Excelente artigo Professor Wilhelm! Um dos fatos que vejo como a não adesão ao sistema cooperativo Brasileiro, é o fato do não entendimento e da não disseminação da cultura Cooperativista em nosso País. Está falta de conhecimento e compartilhamento da cultura, atribuo ao fato de alguns, e digo na maioria, dos colaboradores das instituições cooperativistas terem saído do sistema privado coorporativo. Quando chegam na cooperativa eles em sua maioria acabam não entendendo o sistema e encaram a cooperativa como uma empresa e um emprego qualquer. Para fazer que nosso sistema cresça temos que mergulhar de forma profunda no cooperativismo, respirar, entender e se apaixonar pelo sistema. Sem dúvida é o melhor sistema que temos, o sistema que integra toda a região e traz prosperidade a sua população.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.





*

WordPress spam blocked by CleanTalk.