Portal do Cooperativismo Financeiro Cooperativismo de Crédito na Holanda - Portal do Cooperativismo Financeiro

Cooperativismo de Crédito na Holanda

A Holanda apresenta em nível mundial a 7ª colocação entre os países com maior expressão no cooperativismo financeiro, representada pelo Rabobank, o maior conglomerado financeiro do país, com participação de mercado de 39% nos depósitos e de 31% nos empréstimos. Possui a maior rede de atendimento (somadas as agências e os caixas eletrônicos, ultrapassa 2.500 pontos de contato).

CoopCred_Holanda_2013

As cooperativas de crédito rural nasceram na Holanda sob inspiração do modelo criado por Friedrich Wilhelm Raiffeisen, como mecanismo para enfrentar a crise agrícola do final do século XIX, a partir da organização de pequenas e médias empresas e agricultores que buscavam alternativas para acesso ao crédito. A primeira cooperativa de crédito foi constituída em 1896 e, já em 1898, as cooperativas existentes organizaram-se em dois bancos centrais regionais, um ligado às comunidades católicas (Cooperative Association of Raiffeisen Banks) e outro às comunidades protestantes (Cooperative Central Farmer´s Credit Bank – Boerenleenbank). Em 1972, as centrais dos dois bancos uniram-se e adotaram o nome Rabobank, unindo os nomes dos 3.800 bancos que lhe deram origem (Ra + Bo + Bank). Em vários países latino-americanos a pronúncia utilizada é “raibobank”, incluindo-se a letra “i” do nome Raiffeisen. Atualmente, após um processo de fusões e incorporações, remanescem 129 bancos cooperativos na Holanda.

Rabobank

logo_RabobankNa Holanda, o Rabobank é formado por 129 bancos cooperativos locais e pelo Rabobank Nederland (Coöperatieve Centrale Raiffeisen-Boerenleenbank B.A.), o banco cooperativo central, controlado por tais bancos. A forte atuação no país conquistou altos percentuais de participação no mercado: 85% na agricultura, 44% no segmento de pessoas jurídicas, 36% nas aplicações financeiras e 20% no mercado imobiliário.

Possui um sistema de garantias cruzadas (Cross-Guarantee System) representado pela solidariedade passiva entre as empresas do grupo. O objetivo desse sistema é estabelecer que, se uma instituição participante apresentar insuficiência de recursos para saldar suas obrigações, as demais deverão suplementar os recursos faltantes, permitindo que a deficitária cumpra com seus passivos integralmente. A efetividade desse sistema colabora para a solidez do grupo e, consequentemente, para os ótimos ratings obtidos. Todos são responsáveis pelos negócios e riscos e por isso existem alçadas para cada cooperativa, sendo que créditos acima desse valor são submetidos ao grupo, por meio do Rabobank Nederlands.

O Rabobank Group (formado pelas operações na Holanda e no exterior), em nível mundial, é o 29º maior banco em volume de ativos (em 2013 administrava US$ 931 bilhões em ativos e US$ 603 bilhões em empréstimos) e a 5ª maior instituição financeira cooperativa no World Co-operative Monitor, elaborado pela ACI. Fora da Holanda, a atuação do Rabobank tem como objetivo ocupar uma posição de destaque no agronegócio.

Rabobank Group é um provedor de serviços completo, organizado da seguinte forma: Varejo e Atacado, Rabobank e Friesland Bank; Administração de recursos e investimentos, Schretlen & Co; Leasing, De Lage, Landen; Negócios imobiliários, Rabo Bouwfounds e Rabohypotheekbank; Seguros, Eureko; Empréstimos imobiliários, Obvion.

Processo Decisório: Os bancos cooperativos locais são os responsáveis pelas decisões corporativas do grupo, votando proporcionalmente a seus ativos, por meio de uma estrutura de reuniões de núcleos regionais e, posteriormente, na reunião central de delegados. Nas cooperativas, o processo decisório cabe aos associados, organizados na assembleia geral que, por sua vez, determina as ações a serem empreendidas pelo conselho, no caso chamado de conselho de supervisão. As decisões dos associados aplicam-se aos direcionamentos estratégicos das cooperativas, mas a gestão do dia a dia é reservada à sua gerência que, por sua vez, reporta ao conselho de supervisão. Essa estrutura garante a participação dos associados ao mesmo tempo em que garante o resguardo da técnica na gestão dos negócios.

Os associados dos 129 bancos regionais (matrizes) elegem membros (delegados) que participam das 12 assembleias regionais de delegados, sendo que, quatro vezes por ano, 72 desses membros (membros do conselho) se reúnem em uma espécie de parlamento para tomar as decisões mais importantes do grupo.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.




*

WordPress spam blocked by CleanTalk.