Portal do Cooperativismo Financeiro Manfred Dasenbrock, do Sicredi, admite possibilidade de unificação dos Bancos Cooperativos Sicredi e Bancoob - Portal do Cooperativismo Financeiro

Manfred Dasenbrock, do Sicredi, admite possibilidade de unificação dos Bancos Cooperativos Sicredi e Bancoob

PARTICIPAÇÃO DOS SISTEMAS COOPERATIVOS NO TOTAL DE ATIVOS DO MERCADO FINANCEIRO NACIONAL É DE 2,44%.

Apesar de haver um grande número de implicações envolvidas e que atualmente emperram um avanço de um projeto concreto, o presidente da Central Sicredi PR/SP, Manfred Dasenbrock, não descarta que no futuro possa haver uma fusão entre os principais sistemas cooperativistas existentes no Brasil, o que poderia unir Sicredi e Sicoob.

A confirmação foi feita em entrevista coletiva concedida por ele no Dia Internacional do Cooperativismo, quinta-feira (17), na sede do Centro Administrativo de Porto Alegre, onde estão concentradas as operações do Sicredi. Também participaram da coletiva o presidente da Sicredi União PR e conselheiro da SicrediPar, Wellington Ferreira, e o diretor executivo de Produtos e Negócios do Banco Cooperativo Sicredi, Edson Nassar.

Hoje, segundo o Banco Central, a participação dos sistemas cooperativos no total de ativos do mercado financeiro nacional é de apenas 2,44% e uma eventual fusão poderia gerar o fortalecimento dos sistemas.

Na visão de Dasenbrock, inicialmente se fala em fusão dos bancos Sicredi e Bancoob, criados há cerca de 15 anos devido à legislação existente na época. Ele acredita que realizar a fusão entre bancos é fácil, mas a abrangência de uma fusão de sistemas seria muito mais complexa.

Isso implicaria fundir cooperativas e centrais entre Sicoob e Sicredi, o que é um desafio muito maior, porque envolveria governança, quem iria abrir mão, etc. Hoje os criadores dos sistemas, que defendem algumas teorias da constituição, ainda estão conosco (o que poderia gerar resistência). No futuro sim, é possível que ocorra (a fusão), assim como foi na Holanda e na Alemanha. Mas na situação atual, em que as cooperativas estão saudáveis, acredito que é bastante complexo inaugurar este tipo de projeto“, pondera Dasenbrock.

Atualmente, o Sicredi possui maior expressão nos Estados do Mato Grasso, Mato Grosso do Sul, Paraná e Rio Grande do Sul. Enquanto isso, o Sicoob tem maior expressão na Bahia, Goiás, Minas Gerais, Espírito Santo, São Paulo e Santa Catarina.

Fonte: Jornal O Presente – Marechal Cândido Randon

17 Comentários em Manfred Dasenbrock, do Sicredi, admite possibilidade de unificação dos Bancos Cooperativos Sicredi e Bancoob

  1. Este é um assunto bastante recorrente, discutido em grandes eventos a exemplo do Concred e fóruns sistêmicos. Em se partindo do princípio de que as cooperativas foram criadas para o atendimento das necessidades de seus associados, as estruturas sistêmicas existentes devem servir unicamente para este objetivo, evitando-se sombreamentos, custos e estruturas desnecessárias.

    Na Alemanha, por exemplo, existem os sistemas cooperativos Volksbank, Raiffeinsenbank, Sparda-Bank e PSD Bank. Juntos eles administram cerca de 25% dos depósitos do país. Em sua estrutura eles compartilham do mesmo Banco Cooperativo e da mesma estrutura de retaguarda, inclusive a tecnologia.

    Qual a sua opinião sobre o assunto?

  2. Entendo que é muito importante mantermos viva essa preocupação de buscar um formato de organização que privilegie e potencialize os benefícios para os principais interessados, que são os associados às cooperativas.

    Todavia, penso que a questão que envolve a eventual fusão dos dois bancos cooperativos (Bancoob e Banco Sicredi) e até mesmo dos Sistemas nos quais estão inseridos (Sicoob e Sicredi), poderia ceder espaço, num primeiro momento, para temas “menos delicados” e que também têm o potencial de gerar benefícios imediatos aos associados pela economia de escala e escopo.

    Refiro-me, por exemplo, ao compartilhamento de estruturas-meio como rede de auto-atendimento, plataformas tecnológicas e de operações (meios eletrônicos de pagamento, consórcios dentre outras).

    Estou certo de que os líderes do cooperativismo financeiro brasileiro têm estado atentos a esses pontos.

  3. Para um maior desenvolvimento do sistema cooperativo isso faz-se necessário e é um grande passo a ser dado, onde só será possível com o amadurecimento da ideia junto as lideranças de cada sistema.

    Agora com certeza o maior desafio será vencer as vaidades existentes…

  4. Entendo que é muito importante mantermos viva essa preocupação de buscar um formato de organização que privilegie e potencialize os benefícios para os principais interessados, que são os associados às cooperativas.

    Todavia, penso que a questão que envolve a eventual fusão dos dois bancos cooperativos (Bancoob e Banco Sicredi) e até mesmo dos Sistemas nos quais estão inseridos (Sicoob e Sicredi), poderia ceder espaço, num primeiro momento, para temas “menos delicados” e que também têm o potencial de gerar benefícios imediatos aos associados pela economia de escala e escopo. Refiro-me, por exemplo, ao compartilhamento de estruturas-meio como rede de auto-atendimento, plataformas tecnológicas e de operações (meios eletrônicos de pagamento, consórcios dentre outras). Assim, acredito que a convivência inter-sistêmica compartilhando estruturas, poderá levar, naturalmente, à tão desejada consolidação.

    Estou certo de que os líderes do cooperativismo financeiro brasileiro têm estado atentos a esses pontos.

  5. 6º PRINCÍPIO: INTERCOOPERAÇÃO
    As cooperativas servem de forma mais eficaz os seus membros e dão mais força ao movimento cooperativo, trabalhando em conjunto, através das estruturas locais, regionais, nacionais e internacionais.

  6. Devemos buscar a unificação dos Sistemas em um unico Banco, mantendo as Cooperativas nas comunidades realizando a sua função enquanto Cooperativa e ganhar competividade perante os demais sistemas financeiros,ex o Sistema Cooperativo Alemão onde se coloca muito competitivo, pois compartilhar do mesmo Banco e Sistema de Informatica e regulamentações.

  7. Apesar de todas as Missões e intercambios que já aconteceram e continuam acontecendo entre cooperativistas do Brasil com EUA, Japão e as Europas – Ocidental e do Leste – é pena que a questão da evolução dos segmentos cooperativos ainda estejam dependendo de vaidades…como parece que chegamos no Século da Cooperação, espero que meus netos participem de outra realidade, quase próxima a da República Cooperativa…como queriam Charles Gide, Fourrier, Robert Owen, Diva Benevides Pinho…

  8. Penso que a junção dos Bancos Cooperativos virá com o tempo, notadamente quando da retirada de subsídios governamentais e quando a taxa básica de juros (SELIC) reduzir-se a patamares civilizados, algo em torno de 4% ao ano. Por ora, os Sistemas Cooperativos devem buscar a eficiência de forma isolada ou pela via da intercooperação (compartilhando tecnologia, produtos, áreas de suporte, por exemplo), de forma a aumentar a participacão global no mercado.

  9. Acredito que a união dos principais sistemas de cooperativismo de crédito brasileiros será a solução para o futuro. Os 2,44% de participação das cooperativas no mercado financeiro nacional é muito, mas muito pouco. Deveríamos chegar, no mínimo, aos 10,0%. A união dos sistemas dá mais credibilidade ao cooperativismo de crédito. Haveria maior participação por parte da população brasileira. O sistema brasileiro de cooperativismo de crédito ainda está muito contaminado por bairrismos regionais e corporativistas. Só o tempo e as futuras gerações para fazer a descontaminação.

  10. Perdemos a oportunidade lá atrás, quando o cooperativismo de crédito perdeu o BNCC, Banco Nacional de Crédito Cooperativo, extinto pelo Governo Collor. Depois da extinção do BNCC o BB fez o papel do Banco Cooperativo, mas explorava tanto as Cooperativas que criou a oportunidade das Cooperativas de Crédito constituírem seu Banco próprio ate mesmo dois Bancos a custos menores que o BB oferecia.
    Mas nunca será tarde para vencer este grande desafio do cooperativismo de crédito de termos uma gestão voltada aos interesses dos cooperados somente.

  11. Os associados de ambos os sistemas só têm a ganhar com a fusão. Ganham uma instituição mais forte, com escala para competir no complexo mundo financeiro no Brasil e [por que não?] no exterior. Ganham com mais qualidade de produtos e serviços.

    A questão é que não vejo nenhuma atitude concreta nesse sentido. Apenas ouço falar em congressos e outros eventos. Acho que, se tem tanta gente a favor e se a fusão é boa pra todos, deveríamos avançar com atitudes mais firmes. Por exemplo: as lideranças de ambos os sistemas poderiam constituir um grupo de trabalho conjunto para proceder levantamentos preliminares. Nesse primeiro momento, não haveria, ainda, compromisso definitivo com a fusão, mas apenas estudos para dar um norte às decisões futuras.

    O desafio é grande, mas se não for dado o primeiro passo, ele nunca será vencido.

    P.S.: Parabéns, Márcio Port, por iniciar essa discussão e colocar esse fórum à disposição.

  12. O Presidente Manfred leva a público um assunto de interesse e relevância no cooperativismo brasileiro: a união dos “gigantes do cooperativismo”. Ambos, Sicredi e Sicoob possuem expertise suficiente para demonstrar ao mercado financeiro o nível de profissionalismo e relevância que estes sistemas já possuem. É certo que o tempo se encaminhará de cuidar que estas trajetórias se cruzem e que o empreendimento cooperativo saia ainda mais fortalecido, em especial pelo seu ganho de escala e capilaridade no território nacional. Parabéns ao Presidente Manfred pela matéria.

  13. Acredito que apesar da ideologia ser a mesma entre os dois sistemas, a filosofia de concepção e de atuação dessas entidades são muito divergentes. E a filosofia pode comprometer todo um trabalho de atuação desenvolvido e implantado por ambas entidades. A contar pela seguintes questão: O cooperativismo viável é o feito por pelos sulistas ou pelos que acreditam que pensar diferente e de forma democrática faz a diferença para o desenvolvimento do cooperativismo no Brasil.

  14. Realmente é um tema complexo que, penso eu, necessita de tempo para maturar. Não creio ser apenas por questões de vaidade de algumas lideranças, que isto ainda não aconteceu (fusão). Temos que lembrar (ao comparar com sistemas cooperativos do mudo e até mesmo nacionalmente) que possuímos cultura e legislação muito distintas. O que às vezes nos favorece, às vezes não. Não sei o quanto isto esta sendo debatido (profundamente) com os reais interessados, ou seja, os associados, e o que eles têm a dizer. Talvez, este possa ser um caminho que poderá “acelerar”, ou não, este processo. Particularmente não tenho opinião formada, mas, fico pensando sobre o assunto e buscando informações que me possam “clarear” as ideias. Obrigado ao portal por nos disponibilizar estas informações e troca de opiniões. Que a força do cata-vento nos leve pelos melhores (não necessariamente os mais fáceis) caminhos. Saudações cooperativistas.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.




*

WordPress spam blocked by CleanTalk.