Portal do Cooperativismo Financeiro Taxa Selic: Juros avançam para 13,25% ao ano na quinta alta seguida – Portal do Cooperativismo Financeiro

Taxa Selic: Juros avançam para 13,25% ao ano na quinta alta seguida

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central decidiu elevar nesta quarta-feira (29) os juros básicos da economia de 12,75% para 13,25% ao ano, uma nova alta de 0,50 ponto percentual. Foi o quinto aumento consecutivo da taxa Selic, que segue no maior patamar desde o início de 2009, quando estava em 13,75% ao ano, ou seja, em seis anos.

Juros avançam para 13,25% ao ano na quinta alta seguida (Foto: Editoria de Arte/G1)

A decisão confirmou a expectativa da maior parte dos economistas do mercado financeiro. Com uma taxa mais alta de juros, o Banco Central tenta controlar o crédito e o consumo, atuando assim para segurar a inflação. Por outro lado, ao tornar o crédito e o investimento mais caros, os juros elevados prejudicam o crescimento da economia.

O novo aumento dos juros básicos da economia acontece em um momento delicado, com a economia ainda se ressentindo de um baixo nível de atividade, com desemprego em alta (o maior desde 2011), mas com a inflação fortemente pressionada pelo aumento de tarifas públicas, como energia elétrica e gasolina, embora o dólar tenha registrado queda nas últimas semanas.

Ao fim do encontro do Copom, o BC divulgou o seguinte comunicado: “Avaliando o cenário macroeconômico e as perspectivas para a inflação, o Copom decidiu, por unanimidade, elevar a taxa Selic em 0,50 p.p., para 13,25% a.a., sem viés”. Essa foi a primeira reunião do Copom de dois novos diretores do BC, Otávio Ribeiro Damaso (Regulação) e Tony Volpon (Assuntos Internacionais).

Fonte: G1

 

1 Comentário em Taxa Selic: Juros avançam para 13,25% ao ano na quinta alta seguida

  1. Os administradores das cooperativas devem observar atentamente esse movimento de alta de juros, principalmente no caso da inclusão de juros ao capital no planejamento de 2015 e quais ajustes a serem tomados para o alcance das metas.
    Quanto mais rápido forem as ações mais rápido será o retorno.
    Não vejo como não mexer nas taxas de empréstimos praticadas e a atenção no acompanhamento da inadimplência, tomando as medidas contidas na política de cobrança.
    Incluo aí a grande discussão…as cooperativas devem cobrar (ou repassar) as tarifas em conta corrente?
    Nessa fase da economia que o pais atravessa é vital para as cooperativas avaliar constantemente o seu nível de receitas e despesas.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.





*

WordPress spam blocked by CleanTalk.