Fusão de dois bancos de cooperativas pode criar instituição maior que o Credit Suisse e o JP Morgan no País – Matéria da Isto É Dinheiro

Apenas dez quilômetros separam a lavoura de Vitório Scolar de seu banco, na pequena Getúlio Vargas, na região norte do Rio Grande do Sul. É na unidade de atendimento do Banco Cooperativo Sicredi que o agricultor de 61 anos consegue financiamento para a produção dos 40 hectares plantados com soja e milho. No ano passado, ele entrou em um consórcio para adquirir um imóvel no município de 16 mil habitantes onde mora. A mais de 900 quilômetros dali, no município paulista de Jaú, vive o comerciante José Roberto Pena, que investe em fundos e paga as contas de sua loja pelo Bancoob. Em um futuro próximo, Scolar e Pena poderão ter algo em comum: o mesmo banco.

É que o Bancoob, que integra o Sistema de Cooperativas de Crédito do Brasil, e o Sicredi têm conversado sobre a fusão de suas operações, que criaria a 12ª maior instituição financeira do País, com R$ 43,5 bilhões em ativos em setembro. Com isso, ele ficaria à frente das filiais brasileiras de gigantes como Credit Suisse e JP Morgan. “O que falta é sentarmos para analisar as sinergias, mas sabemos que o primeiro passo é a ‘mesa de cavalheiros’ e isso já foi feito”, afirma Marco Aurélio Almada, presidente do Bancoob. “A fusão está no radar, volta e meia nossos acionistas conversam com os sócios do Sicredi.”


Individualmente, as duas instituições apresentaram o maior crescimento em ativos do sistema financeiro nacional nos últimos cinco anos
. O Bancoob teve um salto de 255%, enquanto o Sicredi avançou 209%. Mal comparando, o gigante Bradesco cresceu 113%. As duas instituições querem repetir a dose em 2014. “Esperamos um crescimento de 20% a 25% nos ativos totais”, afirma Almada, do Bancoob. No ano passado, segundo prévia dos resultados, o banco de Brasília lucrou R$ 46,8 milhões e os ativos atingiram R$ 18,1 bilhões, 22% a mais que em 2012. A carteira de crédito cresceu 32%, para R$ 6,68 bilhões, e os depósitos avançaram 18,7%, para R$ 15,4 bilhões.

No gaúcho Sicredi, os resultados preliminares indicam que os ativos totais somaram R$ 38,41 bilhões, avanço de 22,7% ante 2012. O patrimônio líquido chegou a R$ 5,3 bilhões, mais do que o dobro do registrado em 2009, e as operações de crédito alcançaram R$ 21,9 bilhões, 160% a mais do que cinco anos antes. “Representamos 49% dos ativos do cooperativismo brasileiro”, diz Ademar Schardong, presidente do Sicredi, referindo-se à rede integrada. Rede que, por sinal, não para de crescer. Em janeiro, a cooperativa Unicred do Rio de Janeiro, que reúne 12,3 mil médicos e enfermeiros, se uniu ao Sicredi.

“Não estava prevista a expansão para o Rio no curto prazo, mas havia sinergia”, diz Schardong. O próximo passo será desenvolver um plano estratégico para os próximos cinco anos. “Vamos fazer a migração de todo o sistema de atendimento e a expectativa é de que, em três meses, os cooperados do Rio possam ter acesso aos nossos produtos.” Com esse casamento, o Sicredi passa a atuar em 11 Estados. Em 2014, o foco das duas instituições será investir em cartão de crédito e financiamento imobiliário. O Bancoob saiu na frente. Em janeiro, anunciou a parceria com a empresa de tecnologia First Data, para atuar no mercado brasileiro de adquirência.

“Vamos gerir todos os fluxos – seja de cooperados ou não – e o investimento em tecnologia será feito pela First Data”, explica Almada. “Esperamos que, após os primeiros cinco anos, de 10% a 15% da nossa receita venha dessa operação”, diz ele, acrescentando que a nova marca da adquirente deve ser lançada ainda no primeiro semestre. A meta é capturar 5% das transações em cinco anos. Para Luis Miguel Santacreu, analista da Austin Rating, o crescimento acelerado do Bancoob e do banco Sicredi se deve à proximidade aos cooperados, principalmente aos que participam de cooperativas de agronegócio.

“Em geral, instituições privadas dão mais atenção aos grandes produtores e, além disso, o trabalho do Banco Central na regulamentação e fiscalização desses bancos foi decisivo.” Não é para menos. Na década de 1990, o Banco Nacional de Crédito Cooperativo (BNCC) foi liquidado por má gestão. Para completar, foi criado, em novembro do ano passado, o Fundo Garantidor do Cooperativismo de Crédito (FGCoop), que protege os clientes em caso de intervenção ou liquidação extrajudicial, nos mesmos moldes do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), dos bancos comerciais.

A contribuição mensal das instituições associadas ao FGCoop será de 0,0125% dos saldos das obrigações garantidas. Para Almada, a explicação para o crescimento do Bancoob vai além. Segundo ele, nos bancos de cooperativa, a remuneração dos executivos é conservadora e o que se busca é o desenvolvimento local e não lucro por lucro. “Com isso, não investimos em títulos podres nem nos globalizamos, daí que crescemos quando os bancos encolhem devido a crises financeiras”, diz. “As nossas portas continuam abertas e, como há muitos lugares no País onde a economia continua pujante, tem muita gente querendo entrar.”

Por Natália FLACH – Isto É Dinheiro

44 Comentários em Fusão de dois bancos de cooperativas pode criar instituição maior que o Credit Suisse e o JP Morgan no País – Matéria da Isto É Dinheiro

  1. De tanto falar-se no assunto, mais cedo ou mais tarde o assunto sairá do papel e neste momento os associados serão os maiores beneficiados, principalmente pelo ganho de escala e pela economia de custos, compartilhando serviços e estruturas das entidades centralizadoras.

  2. Água mole em pedra dura, tanto bate até que fura !!!
    Os nossos Associados já estão clamando por uma otimização dos esforços cooperativos.
    Quem coopera cresce! Vamos COOPERAR e crescer!

  3. Este é o caminho, devemos nos fortalecer no cooperativismo para buscar o nosso espaço merecido no mercado finamceiro. Quem ganha todos pra brasileiros que participam do cooperativismo!

  4. Se o sonho de juntar várias cooperativas em um único sistema e uma única marca, foi possível; também será possível juntar duas marcas e dois sistemas para ter um Banco único também. O Cooperativismo de Crédito Brasileiro com certeza sairá fortalecido.

  5. Unidos seremos ainda mais fortes.É o cooperativismo de crédito buscando o seu espaço no mercado financeiro.Parabéns pelo crescimento e pelos resultados gerados nas comunidades onde o cooperativismo está presente.

  6. O compartilhamento de recursos e de estruturas ajudará na eficiência, na redução de custos e competitividade, culminando no fortalecimento do cooperativismo de crédito no país. O país será muito beneficiado.

  7. PARABENIZO A INICIATIVA, A MUITO JA SE PROPUNHAM ESSA IDEIA, COM CERTEZA SERA UM AVANCO PARA O COOPERATIVISMO NACIONAL, PRPORCIONARA UMA EXPANSAO E DESENVOLVIMENTO MAIS CELERE. CONSOLIDADO NO CAPITAL FORTE DE DOIS BANCOS COOPERATIVOS

  8. A evolução e o futuro do cooperativismo de crédito dependem desta união estratégica, que trará beneficios infinitos as estruturas, associados e sociedade, afinal, quanto mais sólido o Banco Cooperativo, mas forte serão as “cooperativas de crédito” no mercado financeiro nacional e internacional.

  9. FUSÃO , REESTRUTURAÇÃO de NÍVEIS, para aumento na competitividade em respostas direta aos COOPERADOS. A UNIDADE de ATENDIMENTO é a CÉLULA de relacionamento direta com as receitas( SOBRAS), portanto deverão tornar-se cada vez mais eficazes

  10. O cooperativismo financeiro está crescendo muito no Brasil. Com esta parceria, dará um salto que o tornará conhecido da sociedade em geral. Sabendo das vantagens desse sistema em relação aos bancos, a população vai migrar para ele, e a expansão será enorme!

  11. Uma fusão traria também uma maior expressividade no mercado financeiro nacional, uma abordagem sistêmica para o segmento, ampliação de mercado e a consolidação de um único sistema mais forte e gerador de progresso com foco no desenvolvimento econômico do pais.

  12. O verdadeiro sentido do cooperativismo é a união de esforços individuais em busca de melhores resultados para o grupo. Essa é a tônica que fez crescermos tanto até aqui. Esse sinalizador de união nacional que tantos de nós queremos aponta um caminho para que o cooperativismo de crédito faça a grande diferença na economia deste país!

  13. Muito boa noticia, é o sonho do Cooperativismo. Não temos motivos para ficar dividindo as mesmas cidades com instituições financeiras cooperativas, precisamos sim arregaçar as mangas e fazer do sistema de crédito cooperativo a maior instituição Financeira do Brasil. Tenho 25 anos de sistema, e acredito que meus filhos e netos participarão deste momento (ser maior e melhro instituição Fiinanceira do Brasil). Confio nas pessoass que estão a frente de cada ssistema para que juntos possamos ser mais fortes. Parabéns.

  14. MEUS PARABÉNS AOS AMIGOS ALMADA, SHARDONG E TODOS OS OUTROS QUE ESTÃO ENVOLVIDOS NESTE PROCESSO.PARA O SISTEMA COOPERATIVO NÃO SERIA UM AVANÇO, MAIS SIM UM SUPER, SUPER AVANÇO, POIS TRARÁ GRANDES BENEFÍCIOS A TODOS COOPERADOS E TAMBEM A NÃO COOPERADOS USUARIOS DA REDE BANCÁRIA.É UMA EXCELENTE INICIATIVA EM BEBEFÍCIO DE TODOS. O QUE ME DA ORGULHO, É QUE NOVAMENTE O COOPERATIVISMO DA EXEMPLO DE ORGANIZAÇÃO E SIMETRIA ENTRE AS INSTITUIÇÕES.

  15. Todos ganharemos com a união dos dois grandes bancos do cooperativismo brasileiro. Os agricultores brasileiros ganharão e, especialmente, os agricultores familiares, já que se constituem em parcela importante dos sócios das cooperativas de crédito ligadas aos dois grandes bancos. Parabéns! Avante!

  16. A força do Cooperativismo de Crédito vem da união das pessoas, esta iniciativa é um reflexo da sinergia existente entre os associados e representantes deste segmento. É mais um avanço do cooperativismo em sentido amplo e uma vitória para as pessoas que acreditam e investem neste modelo de negócio com gestão transparente e que proporciona desenvolvimento local e sustentável. Parabéns e que venha o futuro!

  17. Essa é uma das primeiras mais não deve ser a ultima iniciativa no sentido de consolidar e tornar o Cooperativismo ainda mais forte e expressivo em nosso País. Parabéns a todos os Cooperativistas envolvidos.

  18. O CONCRED-Congresso Brasileiro do Cooperativismo de Credito, promovido pela Confebras e que será realizado em Manaus, de 10 a 12 de setembro/14, traz como tema central, exatamente esse assunto. Indicando que o Melhor Caminho é a Integração do SNCC-Sistema Nacional de Cooperativismo de Crédito, seja por fusões, incorporações, compartilhamentos de produtos e serviços ou integrações operacionais.

  19. Concordo com o Márcio, De tanto falar isso se TORNARÁ realidade e o benefício será revertido para os Cooperados.

    Tenho ouvindo isso há alguns anos e, com certeza, essa união será um marco importante para o Cooperativismo Brasileiro.

  20. Excelente. JUNTOS SEREMOS MUITO MAIS FORTES e muito mais expressivos diante o mercado financeiro,para divulgar ainda mais nossa essência ” O COOPERATIVISMO”.

  21. Não seríamos suficientemente fortes se continuássemos dividindo ao invés de somar. A nossa força sempre veio da COOPERAÇÃO. Parabéns por esta iniciativa que vem para integrar, otimizar, nos tornar mais competitivos neste complexo mercado.

  22. Mais uma vez o cooperativismo de crédito demonstrando competência e atitude no mundo dos negócios. Não há outra forma de avançar sem juntar forças.

    Parabéns e Sucesso !!!

  23. Realmente todos os cooperativistas se unem nesta ideia da fusão das duas instituições financeiras, Bancoob e Bansicredi. Para dar validade a esse pleito geral, torná-se necessário que os Conselhos de Administração de ambas instituições iniciem o processo de validação, pois é o fórum adequado para discussão. Os sistemas Sicoob e Sicredi devem levar mais tempo para adequação futura na sua consolidação.

  24. O Brasil é um pais que tem grande potencial, pela sua extensão geográfica diversificada, pela miscigenação cultural e por um povo criativo e empreendedor. O grande desafio é unir as pessoas em um empreendimento nacional e manter as culturas regionais. Parabéns Diretores pelo desafio estão no caminho certo.

  25. Espero que a fusão não resulte em demissões, como nos bancos e empresas. E que o espírito de cooperação continue prevalecendo sobre idéias distorcidas de “eficiência”.

    – Lembremos que nas nossas agências é respeitada a lei da fila de espera
    – Os sistemas de internet devem poder ser acessador por software livre (linux e outros)
    – As tarifas devem continuar sendo minimizadas e não devemos gerar falsos lucros com elas

    De resto sou totalmente a favor da fusão. Sou associado de sicoob e sicredi, e num primeiro momento o ideal seria o compartilhamento de agências.

  26. Ah! Também sugiro que não se expanda o sistema através de publicidade, porque ela acaba atraindo pessoas sem consciência cooperativa. Prefiro um sistema sólido que um grande.

    Pessoas sem consciência cooperativa elegem chapas populistas que compram insumos superfaturados de empresas de amigos, e esse tipo de coisa é sinônimo de juros mais altos e inadimplência.

  27. Este é o caminho, a longo prazo. No entanto, é uma pena que esta matéria tenha sido adulterada pela jornalista responsável e não expressa a declaração dos gestores das instituições.

  28. O Cooperativista de Crédito está num estágio muito bom, porém com muitas diferenças entre os sistemas. Fala-se em fusão de bancos cooperativos, mas a base nem sequer foi ouvida.A matéria tem pouca credibilidade porque os números apresentados na matéria não são os reais dos dois sistemas envolvidos.

  29. Entendo que o cooperativismo de Crédito ainda tem um longo caminho a percorrer, tendo espaço a vários sistemas, pois no mercado toda unanimidade é BURRA, enquanto a concorrencia é SALUTAR, por isso temos que ter no País mais do que um sistema, até para podermos comparar. A reportagem não condis com a realidade do Cooperativismo de Crédito Brasileiro.

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.




*