PIX: inovação e segurança para a evolução da nossa relação com as finanças, por Adelino Sasse

Na nossa organização enquanto sociedade, estabelecer uma boa relação com as finanças é fundamental. Muito mais do que falar sobre sobra ou escassez de recursos, a cidadania financeira é um ativo fundamental para a qualidade de vida da população. É pela importância desse aspecto para todos nós que qualquer novidade levanta preocupações.

O PIX, nova modalidade de pagamentos e transferências criada pelo Banco Central e já em operação, é um exemplo disso. O despertar da insegurança ao fornecer dados me levou a muitas conversas com cooperados sobre a importância da evolução do sistema financeiro para que a nossa relação com as finanças acompanhe os novos tempos.

É isso que considero o PIX: uma evolução. Num mundo onde tudo acontece de forma muito rápida, é inevitável que o sistema financeiro também busque essa agilidade. Se há ferramentas tecnológicas que garantam a segurança das operações – como é o caso do PIX – certamente elas vêm para dar um salto em direção a isso.

Na Viacredi, estamos falando sobre essa ferramenta há muito tempo. Desde a operacionalização até o treinamento das equipes, são muitos meses de dedicação a entender cada detalhe das transações para oferecer uma experiência realmente inovadora e segura para os nossos cooperados. Foram inúmeros testes, programações, formatos. Hoje, pelo aplicativo do Ailos, o PIX é uma realidade já em operação e com excelentes feedbacks de quem já está usando a ferramenta.

Uma reflexão muito importante sobre o PIX, é a importância de tecnologias como essa para a redução da circulação de dinheiro físico. Por conta dos altos custos que envolvem transporte, conservação e combate a falsificação das cédulas, o dinheiro se torna oneroso para a cooperativa e, por consequência, para o cooperado. As operações digitais não têm esse custo.

Assim como os cartões de débito e crédito despertaram dúvidas quando começaram e hoje são de uso diário para muita gente, o PIX também será. Cabe a cada um de nós olharmos pra ele como uma oportunidade de evolução na nossa relação com as finanças. Eu já estou usando.

1 comentário

  1. Olá Adelino, aqui é Eduardo N. Usuy, fundador da CredCrea. Muito bom seu artigo, abordando as dificuldades de aceitação de um novo produto ou serviço, principalmente na área financeira. Como empresario, vi a intensa campanha dos Bancos e Cooperativas de Crédito, na divulgação do PIX, bem como a elevação das tarifas dos DOCs e TEDs que as instituições financeiras vem aplicando. Mesmo expostos aos criminosos virtuais, as transações eletrônicas, indubitavelmente, vieram para ficar. abs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

*