Portal do Cooperativismo Financeiro Alemanha: Friedrich Wilhelm Raiffeisen – conheça um pouco da vida do fundador do Raiffeisenbank - Portal do Cooperativismo Financeiro

Alemanha: Friedrich Wilhelm Raiffeisen – conheça um pouco da vida do fundador do Raiffeisenbank

Neuwied, Alemanha – Friedrich Wilhelm Raiffeisen (1818-1888), é conhecido mundialmente no meio cooperativista por ser o fundador da primeira cooperativa de crédito rural do mundo, em 1864, na Alemanha. Raiffeisen assumiu para si a tarefa de aliviar a grande necessidade econômica da população. Em 1862, ele criou uma “círculo de empréstimos” e lançou as bases para a organização das cooperativas Raiffeisen.

Friedrich Wilhelm Raiffeisen nasceu em 30 de março de 1818 em Hamm (Westerwald, na Alemanha). Ele foi o sétimo de nove filhos. Seu pai Gottfried Friedrich Raiffeisen foi um fazendeiro e também prefeito de Hamm por um tempo. A família de sua mãe, Amalie Christiane Susanna Maria, nascida em Lantzendörffer, veio de Siegerland. Tendo deixado a escola aos 14 anos, Raiffeisen recebeu três anos de educação de um pastor local antes de entrar para as forças armadas aos 17 anos de idade. Sua carreira militar levou-o a Colônia, Coblenz e Sayn. Uma doença nos olhos o obrigou a demitir-se do serviço militar em 1843, quando ingressou no serviço público. Desde cedo Raiffeisen percebeu o sofrimento do povo rural, que era frequentemente submetido a práticas abusivas de agiotagem.

Em 1845, depois de trabalhar como funcionário público com o governo Prussiano em Koblenz, foi nomeado prefeito de Weyerbusch, que foi atormentada por uma grave crise econômica e fome de 1846 a 1848. Em 1845 ele casou-se com Emilie Storck, com quem teve 7 filhos, dos quais 3 faleceram com menos de 1 ano de idade.

Em 1846, motivado por suas funções oficiais e suas crenças cristãs, Raiffeisen fundou a “Weyerbrusch Consumer Society“, uma sociedade para abastecimento de cereais e pão, que envolveu a construção de uma padaria cooperativa comunitária.

Após ser nomeado prefeito de Flammersfeld (de 1848 a 1852), Raiffeisen buscou compreender as necessidades de crédito dos agricultores e artesãos. Com o apoio da classe abastada, em 1849 ele criou uma nova associação que ajudou os pequenos agricultores a adquirir gado, assim eles não teriam a hipotecar seus bens e contrair em dívida. Esta associação, a “Flammersfeld Aid Society for Impecunious Farmers” rapidamente evoluiu para uma sociedade de crédito, onde os agricultores poderiam tomar emprestado dinheiro a uma taxa reduzida e comprar seu gado diretamente. A partir de Flammersfeld ele administrava 33 municípios da região.

Já naquela época, a sociedade de crédito foi administrada de acordo com princípios que muitas cooperativas financeiras mais tarde adotariam: responsabilidade ilimitada para membros, diretores voluntários, área geográfica limitada e alocação de excedentes para uma reserva de indivisível.

Atualmente, a casa em que Raiffeisen morou em Flammersfeld, serve de museu para sobre a vida dele. Foi nesta casa que em 1949 ele criou a primeira associação. O museu pode ser conhecido pelo site www.raiffeisenhaus-flammersfeld.de. Esta casa foi construída por volta do ano de 1780.

Em 1852, Raiffeisen foi eleito prefeito de Heddesdorf, uma cidade manufatureira. Ele fundou uma associação de caridade, que, em 1862, tornou-se uma associação de empréstimos, onde os depósitos de membros serviram para fornecer empréstimos para outros membros. E assim, nasceu a primeira cooperativa de crédito rural, chamada de “Heddesdorf Darlehnkassen Verein“.  

Em dez/2011 este banco cooperativo contava com 50 mil clientes, 20 mil associados, 19 pontos de atendimento, e administrava recursos de cerca de 650 milhões de Euros.

A iniciativa foi divulgada nas áreas de língua alemã e finalmente fez o seu caminho para a Alsace (atualmente pertencente à França), que estava sob domínio alemão no momento. A ideia da cooperativa de crédito foi copiada no oeste da França, liderada por Louis Durand em particular. Crédit Mutuel e Crédit Agricole são, de facto, descendentes diretos da iniciativa Raiffeisen.

Em 1865, aos 47 anos, Friedrich Wilhelm Raiffeisen se aposentou do serviço público, para cuidar de sua saúde. Ele havia pego tifo em 1963, durante uma epidemia em que sua esposa faleceu, e em 1865 ele estava completamente cego. Apesar disto ele continuou seu trabalho, visitando as comunidades rurais e países vizinhos da Alemanha. Neste mesmo ano ele pegou Em 1869, depois de inspirar a criação de perto de uma centena de cooperativas de crédito na Alemanha, Raiffeisen criou uma câmara de compensação central e, em seguida, uma federação em 1877.

Em 1866, com o auxílio de sua filha, ele publicou um livro, o “Loans Societies as a Means to Eliminate the Poverty Amongst the Rural Population and Urban Craftssmen and Workers” que delineou as instruções e os princípios orientadores para a criação de cooperativas de crédito. Este livro foi traduzido para várias línguas e acabou nas mãos de Alphonse Desjardins, que vivia em Lévis, Québec, no Canadá, e que em 1900 constituiu a primeira cooperativa de crédito das Américas.

Em 1867, casou-se com a viúva Maria Panseroth, com quem não teve filhos. Ele morreu em 11 de março de 1888 em Neuwied-Heddesdorf, dias antes de completar 70 anos de idade.

Como sua pequena pensão não era suficiente para atender a vida da sua família, Raiffeisen começou inicialmente uma fábrica de charutos pequenos e mais tarde um negócio de vinho.

No ano de sua morte, em 1888, Raiffeisenverband estavam começando a se espalhar para a parte nordeste da França. Os bancos cooperativos Raiffeisenbank ainda existem até hoje na Alemanha, Luxemburgo, Suíça e Áustria.

No ano de 1902, em Nova Petrópolis/RS, no Brasil, sob a orientação do Padre Theodor Amstad, foi constituída a mais antiga cooperativa de crédito da América Latina, a Sicredi Pioneira RS, inspirada no modelo Raiffeisen.

 

A Cruz de Gable: um símbolo de segurança:

A Cruz de Gable foi escolhida como marca enquanto Friedrich Wilhelm Raiffeisen ainda estava vivo. Os ocupantes das casas colocavam a cruz de gable no telhado para afastar todos os perigos. A organização Raiffeisen, portanto, escolheu este sinal protetor como seu símbolo, para que seus membros também protejam-se contra os perigos econômicos no dia a dia da cooperativa. Na extremidade da cruz pode ser vista a cabeça de um cavalo.

 

 

Mapa da Alemanha demonstrando as cidades em que Raiffeisen viveu.

Seja o primeiro a comentar

Faça um comentário

Seu e-mail não será divulgado.




*

WordPress spam blocked by CleanTalk.